O caso diagnosticado reporta-se a um indivíduo do sexo feminino com 42 anos de idade não residente nos Açores que desembarcou na Região a 27 de junho

A Autoridade de Saúde Regional informa que, decorrente das 514 análises realizadas nos dois laboratórios de referência da Região nas últimas 24 horas, foi diagnosticado um caso positivo de COVID-19 na ilha de São Miguel.

O caso diagnosticado reporta-se a um indivíduo do sexo feminino, com 42 anos de idade, não residente nos Açores, que desembarcou na Região a 27 de junho, proveniente de ligação aérea com o território continental.

O mesmo apresenta situação clínica estável e foram já diligenciados, pela Delegação de Saúde Concelhia, os procedimentos definidos para caso confirmado, testagem e vigilância de contactos próximos, sendo que cumpre isolamento profilático no local onde se encontra alojado desde a sua chegada.

Com este caso mais recente, já foram detetados na Região um total de 152 casos de infeção pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, que causa a doença COVID-19, verificando-se atualmente quatro casos positivos ativos, dos quais três na ilha de São Miguel e um na ilha Terceira.

As medidas de prevenção e contenção da pandemia devem ser mantidas e reforçadas, sempre que possível, por cidadãos e organizações públicas, privadas e do setor social.

A

A Autoridade de Saúde Regional reitera a necessidade de serem cumpridas todas as recomendações já tornadas públicas a este propósito, em especial a de, em caso de sintomas, não procurar um Hospital ou Unidade de Saúde, mas ligar para a Linha de Saúde Açores – 808 24 60 24.

A titular da pasta das Obras Públicas assegurou que os Açorianos podem continuar a contar com o Governo para desenvolver todo o trabalho necessário

Governo dos Açores reabilita taludes e troços de estrada regional nas Flores 

A Secretária Regional dos Transportes e Obras Públicas presidiu hoje, em Santa Cruz, à cerimónia de assinatura do auto de consignação da empreitada de intervenção em taludes e de reabilitação do pavimento danificado pelo furacão Lorenzo em cinco troços de estradas regionais da ilha das Flores.

Com esta empreitada é dado mais um passo com vista à reposição da normalidade das condições de segurança e conforto na circulação rodoviária nesta ilha, após a passagem do furacão Lorenzo e os estragos que causou.

Na cerimónia de assinatura do auto de consignação da empreitada, a Secretária Regional salientou que, na ilha das Flores, “além destas intervenções e no que respeita à Secretaria Regional dos Transportes e Obras Públicas, temos ainda os bem conhecidos danos causados no Porto das Lajes das Flores, que já está a ser intervencionado através da Portos dos Açores, com realce também para a remoção dos contentores que se encontram naquela infraestrutura, abandonados já há algum tempo”.

Ana Cunha sublinhou que a obra de proteção temporária do Porto das Lajes das Flores “que vai agora ter lugar, embora temporária, é avultada e complexa, e permite depois partir para a segunda fase, essa sim, definitiva”.

A titular da pasta das Obras Públicas assegurou que os Açorianos podem “continuar a contar com o Governo para desenvolver todo o trabalho necessário, nomeadamente aqui, no que se refere a ultrapassar aqueles que foram os danos causados pelo furacão Lorenzo”.

A empreitada agora consignada à Tecnovia Açores, S.A., representa um investimento de 220 mil euros e tem um prazo de execução de 60 dias.

O Município de Ponta Delgada tem assumido um papel interventivo no apoio às instituições que desenvolvam atividades promotoras ou valorizadoras do património e da cultura concelhios

Câmara de Ponta Delgada concede apoio financeiro de 7.800 euros para obras na Igreja de Nossa Senhora de Fátima

A Câmara Municipal de Ponta Delgada acaba de conceder um apoio financeiro de 7.800 euros para a concretização de obras de conservação e reparação da cobertura da Igreja de Nossa Senhora de Fátima.


O Protocolo de Cooperação entre a Câmara Municipal de Ponta Delgada e a Paróquia de Nossa Senhora de Fátima, freguesia de São José, foi assinado esta tarde e vigora pelo prazo de dez anos.


Na ocasião, a Presidente do Município, Maria José Lemos Duarte, relevou o interesse municipal do espaço que será cedido pela Paróquia ao Município para a realização de eventos culturais, nomeadamente concertos musicais.


Recorde-se que o Município de Ponta Delgada tem assumido um papel interventivo no apoio às instituições que desenvolvam atividades promotoras ou valorizadoras do património e da cultura concelhios.
Ademais, tem procurado contribuir para a criação de condições e locais de visita adequados à dinamização cultural e turística e propiciando oportunidades de valorização do nosso património, de que é exemplo a Igreja de Nossa Senhora de Fátima.


“A realização de obras de conservação e reparação da Igreja de Nossa Senhora de Fátima representa uma necessidade no domínio da reabilitação de património arquitetónico, histórico e religioso de Ponta Delgada, que permitirá o desenvolvimento de um trabalho de inegável interesse municipal”, pode ler-se no protocolo assinado por Maria José Lemos Duarte e pelo Padre Norberto Brum, em representação da Paróquia de Nossa Senhora de Fátima do Concelho de Ponta Delgada.


O apoio também é fundamentado pelo entendimento de que as Paróquias são entidades com um papel relevante na promoção de várias atividades, as quais contribuem fortemente para a divulgação da cultura e património locais, além de dinamizarem o turismo e a e economia locais.


São, ainda, responsáveis pela recuperação e/ou manutenção do vasto património religioso, designadamente no que respeita às Igrejas, Capelas e Ermidas sob sua jurisdição, verdadeiro património coletivo de interesse municipal indiscutível, e no caso vertente, de uso não meramente confessional.

A personagem Néveda é baseada na flor da planta nêveda comum na ilha do Pico

A “Néveda” ganha canção de equipa terceirense


Néveda, a personagem criada por Terry Costa e ilustrada por Vera Bettencourt para o livro “Néveda nos Açores”, ganhou agora uma canção por equipa terceirense.


O músico João da Ilha juntou-se a Carla Ferreira para adaptar o conto e escrever a letra da canção, enquanto contou com Evandro Meneses para colaborar na composição musical e instrumentação que inclui guitarra acústica, contrabaixo e percussões.

Foi no E.M. Estúdio nas Lajes da Terceira que a gravação e mistura aconteceram. Além das vozes dos escritores, juntaram-se as crianças Marta Chainho e Maria Maduro. E, para finalizar, a masterização aconteceu no Pico, no estúdio de Henrique Dutra, HD Produções. 


Na apresentação, que aconteceu no Azores Fringe Festival online, no passado dia 22 de junho, a MiratecArts contou com videografia de Ana M. Costa para editar um vídeo com as ilustrações originais da graciosense Vera Bettencourt, ilustrações sem cor, e assim mostrar um pouco do processo para construir o livro ilustrado.

O vídeo está disponível no facebook da MiratecArts e www.mirateca.com


A personagem Néveda é baseada na flor da planta nêveda, comum na ilha do Pico, e mais conhecida por dar sabor à aguardente licor produzidos nos alambiques da ilha montanha.    


O livro bilíngue “Néveda nos Açores”, está disponível em livrarias e em lojas das 9 ilhas dos Açores, em livrarias especializadas em literatura infantojuvenil e de ilustração em Portugal Continental e, ainda, na Austrália.

A digressão prevista para o Canadá e EUA foi cancelada devido à pandemia. 


VIDEO PÚBLICO: https://www.facebook.com/MiratecArts/videos/673598743220854/

Os parlamentares açorianos já haviam assinalado em janeiro a inscrição de verbas no Orçamento de Estado para esse mesmo fim

Deputados do PS/A congratulam avanço no radar meteorológico de Santa Bárbara

Os deputados do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República congratularam o avanço registado na instalação do Radar Meteorológico de Santa Bárbara, ilha Terceira, que, de acordo com o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) será instalado ainda durante o mês de agosto, sendo que a sua exploração, em regime experimental, se iniciará em setembro.

Para Isabel Almeida Rodrigues, Lara Martinho e João Castro, “esta é uma excelente notícia. A atividade de vigilância e de monitorização meteorológica é indispensável à prestação de um serviço público que é essencial às populações, à atividade económica e à segurança das pessoas e bens”, sendo por isso com satisfação que tomaram conhecimento do andamento do projeto relativo a este radar.

Sublinhando a importância de instalação de radares meteorológicos na Região, os parlamentares açorianos já haviam assinalado em janeiro a inscrição de verbas no Orçamento de Estado para esse mesmo fim, sendo que, a par de outras propostas apresentadas, este sempre representou um compromisso fundamental para os Açores e para os Açorianos. Na ocasião, o Ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, anunciou estar finalizado o concurso internacional relativo ao radar de Santa Bárbara, tendo o mesmo sido adjudicado a uma empresa da Finlândia, estando agora a aguardar o visto prévio do Tribunal de Contas.

Contudo, a situação vivida no âmbito da COVID-19 veio reforçar ainda mais a necessidade de uma rede de radares meteorológicos nos Açores, tal como afirmaram os deputados do PS/A, uma vez que, por via da redução substancial de voos aéreos, a Força Aérea Portuguesa, em colaboração com o IPMA, tiveram de realizar sondagens adicionais regulares na Base das Lajes.

De acordo com a informação agora avançada pelo IPMA o equipamento a instalar em Santa Bárbara deverá ser rececionado em meados de julho, na Praia da Vitória.

As estruturas presididas por Carlos Ferreira, Marco Costa e Paulo Silveira consideram “urgente a instalação efetiva do laboratório de análises na ilha do Faial, anunciada pelo Governo Regional dos Açores”

Triângulo. PSD quer testes pagos à Covid-19 pagos para passageiros desembarcados na Região


 
As Comissões Políticas do PSD do Faial, Pico e São Jorge defenderam hoje que o governo regional assuma de imediato o custo dos testes de despiste à Covid-19, “feitos no continente português pelos passageiros com destino aos Açores”, adiantaram.
 
Além dessa medida, já defendida pelo líder regional do partido, as estruturas presididas por Carlos Ferreira, Marco Costa e Paulo Silveira consideram “urgente a instalação efetiva do laboratório de análises na ilha do Faial, anunciada pelo Governo Regional dos Açores”.
 
A pronúncia conjunta dos social democratas das três ilhas surge na sequência de uma notícia da Antena/1 Açores, referindo que “o tempo de espera pelo resultado dos testes aos passageiros que desembarcam nas Gateways do Triângulo (aeroportos do Faial e do Pico) será superior às 12 horas estabelecidas como tempo máximo para os aeroportos de Ponta Delgada e das Lajes”, explicam.
 
“Foi dito pela Secretária Regional da Saúde que todas as colheitas realizadas no Faial e no Pico serão enviadas para os laboratórios da Terceira ou de São Miguel, mas consoante a lotação de ambos os laboratórios para a realização de testes e também conforme o horário dos voos para aquelas ilhas”, citam.
 
Os dirigentes locais do PSD lembram que a governante “confirmou que a resposta nas ilhas em que o laboratório não está a funcionar será no melhor tempo possível, tendo em conta que é feita a recolha, que vai de avião para São Miguel ou Terceira, onde é realizado e depois comunicado o teste”, sublinham.
 
“A situação cria maiores dificuldades às populações das ilhas do Triângulo e ao seu tecido empresarial, assim como às Flores e ao Corvo, ilhas para as quais os aeroportos do Faial e do Pico são portas de entrada privilegiada no arquipélago”, acrescentaram.
 
Carlos Ferreira, Marco Costa e Paulo Silveira alertam para o facto de “o resultado do teste demorar mais do que as 12 horas previstas para as outras Gateways, cria um sério obstáculo à escolha dos referidos aeroportos e dos destinos que servem, com repercussões muito negativas, especialmente a nível económico”, afirmam.
 
Os responsáveis pelas estruturas do PSD no Triângulo dizem ainda que a pandemia da Covid-19 “colocou o nosso tecido empresarial perante um enorme desafio, pelo que é importante que as medidas do Governo possam ajudar à superação dessas contingências, e não sirvam criar ainda maiores desigualdades no seio da Região”, concluem

O Presidente da ANACOM referiu não haver “nenhuma justificação aceitável para que os Açores não tenham um bom serviço de correio”

João Castro defende gestão direta dos CTT pelo Estado

O deputado do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República defendeu a gestão direta dos CTT pelo Estado, face a uma realidade bastante negativa relativamente ao desempenho, em termos de qualidade de serviço no correio para as Regiões Autónomas”, na sequência da audição ao Presidente da Autoridade Nacional de Comunicações – ANACOM, na Comissão Permanente de Economia. 

Os sucessivos atrasos, que já vinham de antes da pandemia, continuam a verificar-se, tendo mesmo sido agravados, pelos efeitos da COVID-19, colocando a descoberto, a incapacidade dos CTT em responder a situações de adversidade, quando as populações mais precisam desse serviço. 

João Castro sublinhou que, “estes atrasos persistem, quer nos serviços aos cidadãos quer às empresas”, lembrando ainda a permanência das “filas de espera em várias estações, bem como as dificuldades colocadas pelas associações empresariais e os atrasos decorrentes das encomendas entre Portugal continental e os Açores, o correio inter-ilhas, ou mesmo dentro da própria ilha, muitas vezes sem qualquer explicação que o justifique”.

O deputado socialista lembrou ainda as mais recentes notícias que dão conta de atrasos para as diversas ilhas, havendo mesmo casos em que chega a atingir um mês de espera, sendo que a eliminação de postos de desalfandegamento contribuiu para mais constrangimentos, dificuldades e consequentes atrasos. 

Nesse sentido, e questionando sobre as diligências que a ANACOM tem desenvolvido e os resultados da sua intervenção, o deputado socialista quis saber qual a avaliação que a Autoridade Nacional de Comunicações faz do cumprimento dos indicadores de qualidade do serviço dos CTT, bem como sobre a implementação de novos indicadores de avaliação.

Em resposta, o Presidente da ANACOM referiu não haver “nenhuma justificação aceitável para que os Açores não tenham um bom serviço de correio”. Referindo-se igualmente aos indicadores de qualidade em vigor, acrescentando ainda que a realidade é “bastante negativa em termos de qualidade de serviço no correio para os Açores e Madeira”.

“Os novos indicadores estão agora disponíveis, os CTT já os reportaram e já são públicos, e, de facto, mostram uma realidade negativa relativamente ao desempenho, em termos de qualidade de serviço no correio para as Regiões Autónomas”, 

Acrescentou ainda que, “face à consecutiva degradação do serviço prestado, bem como, à incapacidade de evitar a sua sucessiva degradação, parece inevitável o regresso da gestão dos CTT à administração direta do estado, ou seja, à reversão da sua privatização, que se tem revelado um erro de palmatória”. 

Nesse sentido, e atendendo à resposta do Presidente da ANACOM em sede de comissão, os deputados socialistas eleitos pelos Açores dirigiram uma pergunta ao Ministro das Infraestruturas e Habitação, referente aos atrasos na entrega por parte dos CTT nos Açores.

Isabel Almeida Rodrigues, Lara Martinho e João Castro questionaram assim sobre as medidas que estão a ser tomadas, junto dos CTT, no sentido de resolver os constrangimentos causados aos cidadãos e empresas residentes na Região, bem como sobre os indicadores de qualidade de serviço para o arquipélago.

Segundo José Manuel Bolieiro, “não se trata de subsidiar o passageiro mas sim de aliviar os seus custos financeiros”

Bolieiro defende tarifa única de 60 euros nas ligações aéreas inter-ilhas

O presidente do PSD/Açores defendeu a criação de uma tarifa única para residentes no âmbito da revisão das obrigações de serviço público do transporte aéreo inter-ilhas, lembrando que este é o mesmo princípio em vigor nas ligações entre a Região e o continente.

“A existência de preços diferentes nas ligações inter-ilhas invalida a ideia de um mercado regional e de conhecimento dos Açores pelos açorianos. Com uma tarifa única de 60 euros o passageiro residente escolherá a ilha de destino com base no seu interesse e não no preço”, afirmou José Manuel Bolieiro, na oitava edição do Congresso da Sociedade, dedicada à ilha do Pico.

O líder social-democrata salientou que “este é o mesmo princípio consagrado nas ligações entre os Açores e o continente”, dado que os residentes pagam no máximo 134 euros, independentemente da ilha de origem.

“Os Açores têm capacidade, internamente, para assegurar e até garantir cofinanciamento, para que a operadora de transporte aéreo inter-ilhas possa criar uma tarifa única”, disse.

Segundo José Manuel Bolieiro, “não se trata, ao contrário do que outros preferem, de subsidiar o passageiro, mas sim de aliviar os seus custos financeiros”.

“A criação da tarifa única não é um subsídio ao passageiro, mas sim uma forma de garantir que a viagem, de e para qualquer uma das ilhas dos Açores, tem um preço máximo de 60 euros”, explicou.

De acordo com o presidente do PSD/Açores, além de fomentar um “verdadeiro mercado regional”, a tarifa única também “não obriga o passageiro a ir à procura do subsídio, pagando a totalidade à cabeça e esperando depois por um reembolso”.

O líder social-democrata acrescentou que os custos com a tarifa única inter-ilhas “serão suportados pelo erário público, que compensará a operadora que assegura o serviço público do transporte aéreo inter-ilhas, garantindo a sua sustentabilidade”.

“Esta não é uma proposta de circunstância, mas sim um pensamento doutrinário que visa libertar a sociedade do jugo do poder político subsidiador. Isto é que liberta o cidadão: escolhe como quer, tem um custo compatível com o seu orçamento familiar e cumpre o desígnio de um verdadeiro mercado regional”, concluiu.