JOGOS DA 34.ª JORNADA DA LIGA NOS

LIGA NOS

OS HORÁRIOS DA 34.ª JORNADA

Terça-feira

Tondela-Paços Ferreira, 20h15

Quarta-feira

FC Porto-Belenenses, 18h00

Santa Clara-Farense, 20h00

Moreirense-Famalicão, 20h00

V. Guimarães-Benfica, 20h00

Gil Vicente-Boavista, 20h00

Portimonense-Sp. Braga, 20h00

Nacional-Rio Ave, 20h00

Sporting-Marítimo, 21h45

A VII Convenção Regional no Hotel Azoris Royal Garden.

VII Convenção Regional do Bloco de Esquerda Açores

O Bloco de Esquerda Açores terá em Ponta Delgada no próximo dia 5 de junho, a VII Convenção Regional, no Hotel Azoris Royal Garden.

António Lima, coordenador do BE/Açores, já entregou a Moção de Orientação Global, com a estratégia política a seguir pelo partido “Combater as desigualdades, construir o caminho à esquerda”.

A sessão de encerramento conta com a presença da coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, pelas 17h30.

A parlamentar quis igualmente saber o ponto de situação “relativamente à mobilidade entre a América do Norte e o Canadá de onde é oriunda a maioria dos emigrantes açorianos e Portugal”

Ilídia Quadrado defende fortalecimento dos laços entre Portugal e os EUA


 
A deputada do PSD/Açores na Assembleia da República, Ilídia Quadrado, defende o fortalecimento dos laços entre os Estados Unidos (EUA) e Portugal, “que são especialmente importantes, com vista à recuperação económica em tempos de pandemia, e dadas as ligações históricas que existem”, adiantou.
 
A social democrata questionou assim o Ministro dos Negócios Estrangeiros, nomeadamente sobre uma proposta no Senado norte-americano, “que visa permitir o acesso aos vistos E-1 e E-2 pelos cidadãos portugueses”, ao que o governante respondeu que “a proposta ainda não foi aprovada, estando em processo de conciliação nas duas câmaras, pelo que se espera que a mesma venha a ser uma realidade”, explicou.
 
Para a deputada açoriana, o estreitar dos laços entre os dois países é, “neste momento, ainda mais premente, pois é urgente uma recuperação económica devido à pandemia que vivemos, e que implicou uma pausa a todos os níveis”, frisou.
 
“É preciso retomar a normalidade, e será muito importante verificar se há ou não viabilidade para se impulsionar um melhor acesso a trocas comerciais ou outros investimentos significativos. Isto atendendo também ao volume de negócios que já é feito e ao tradicional forte relacionamento entre Portugal e os EUA”, afirmou Ilídia Quadrado.
 
A parlamentar quis igualmente saber o ponto de situação “relativamente à mobilidade entre, por exemplo, a América do Norte e o Canadá, de onde é oriunda a maioria dos emigrantes açorianos e Portugal”
 
E sublinhou que é “de extrema relevância que se implementem os certificados ou regras internacionais comuns para as viagens, pois isso vai criar a confiança necessária para o incremento do turismo”.
 
“Isso é essencial para promover o chamado turismo da saudade, tão importante para a comunidade açoriana”, acrescentou.
 
A deputada do PSD/Açores na República espera assim que possa haver “uma abertura gradual com segurança, de forma a facilitar as viagens que os portugueses residentes na América do Norte e Canadá pretendam fazer para Portugal, já este verão”, concluiu.  
 

A deputada do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República interpelava em audição regimental o Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros

Lara Martinho questiona Ministro sobre deslocação da equipa técnica dos EUA à ilha Terceira e abertura de fronteiras

Lara Martinho considerou, uma vez mais, a importância de se continuar a exigir que os EUA assumam a sua responsabilidade perante o passivo ambiental que existe na ilha Terceira, solicitando, nessa medida, um ponto de situação quanto ao dossier da Base das Lajes, e em particular no que ao processo de descontaminação diz respeito.

A deputada do Partido Socialista dos Açores à Assembleia da República, que interpelava em audição regimental o Ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, referiu ser este um processo fundamental para os parlamentares socialistas eleitos pela Região “dado o impacto ambiental, mas também na segurança e saúde da nossa população”, questionando, nesse sentido, “para quando se prevê a deslocação da equipa técnica dos EUA à ilha Terceira”.

Em resposta, e referindo a avaliação divergente entre o Laboratório Nacional de Engenharia Civil e a equipa da Universidade norte-americana que tem assessorado a Força Aérea dos EUA, o Ministro Augusto Santos Silva informou estarem ainda a aguardar que as condições sanitárias possam permitir esse encontro presencial. Já sobre a questão colocada pela deputada socialista, de quando se prevê a realização da próxima reunião da Comissão Bilateral Permanente, o Ministro referiu esperar que a mesma se verifique no início do Verão, sendo agora da competência dos EUA a apresentação de uma data para a sua realização.

Ainda durante a audição, Lara Martinho saudou a inclusão de Portugal na lista de países seguros para viajar para o Reino Unido, ficando isentos de quarenta à chegada, destacando ser esta “uma boa notícia para o turismo português”, mas também uma retribuição pelo esforço “dos profissionais de saúde, cidadãos, empresários, e portugueses no geral, no sentido de controlar a pandemia”.

Lara Martinho, que salientando o esforço da presidência portuguesa do Conselho da União Europeia para garantir e operacionalizar o Certificado Verde Digital já em junho, mencionou as negociações em curso entre a Comissão Europeia e os EUA, no sentido de aceitar “a entrada de cidadãos norte-americanos vacinados em viagens não essenciais”, para perguntar sobre quando podem abrir as fronteiras, “para viagens não essenciais, de viajantes provenientes de países como os EUA, Canadá ou Brasil”.

A esse respeito, Augusto Santos Silva confirmou que ainda esta semana, em reunião, o Conselho de Ministros avaliará a situação presente e dará as recomendações necessárias, sendo que se encontram a trabalhar no sentido de, “sem pôr em causa a evolução positiva que se vive na Europa, ir abrindo gradualmente a viagens do exterior da União Europeia”.

“A abertura das fronteiras aos mercados, em particular dos EUA e Canadá, será crucial para a retoma do turismo dos Açores, associada à mais-valia que o Certificado Digital Verde pode representar no que diz respeito ao mercado europeu”, considerou a deputada socialista, que defendeu a necessidade de se “abrir com segurança e com a possibilidade de reagir se algo mudar na evolução da pandemia em qualquer um destes mercados. Abrir em segurança e acompanhar com prudência, tem de ser uma prioridade”.

Branco enverga nome do produtor

Lavradores de Feitoria lança ao seu primeiro vinho da colheita de 2020

O tempo, embora incerto, já pede um vinho fresco e descomplicado, ideal para degustar na esplanada, a solo ou com uma comida mais leve. Está na altura de reunirmos boas energias e olharmos para um futuro a condizer. Do Douro e em simbiose com quem lhe dá vida, chega-nos o ‘Lavradores de Feitoria branco 2020’, ano que ficará para a história. Um vinho que reúne em si um pouco da história vínica de cada lavrador/produtor de uvas que fez nascer a Lavradores de Feitoria na viragem do século.

Sob a marca ‘Lavradores de Feitoria’ há três referências – branco, rosé e tinto –, que em comum têm a expressão do Douro de uma forma directa e objectiva. Feitos do blend de castas autóctones, com origem nas várias quintas da Lavradores de Feitoria – vinte, no total, e situadas ao longo das três sub-regiões Baixo Corgo, Cima Corgo e Douro Superior – e plantadas nas vinhas mais jovens, não têm estágio em madeira, privilegiando-se um perfil jovem, fresco e frutado.

O ‘Lavradores de Feitoria branco 2020’ é o primeiro vinho que a LF lança deste ano, mas se olharmos para a referência em si, é a 14.ª edição, feita do blend de três das mais tradicionais castas brancas do Douro: Malvasia Fina (60%), Gouveio (30%) e Síria ou Códega (10%). Um branco palha limão, com um aroma fresco, fino e aromático, bastante mineral e muito frutado. Apresenta notas de fruta fresca, sobressaindo o ananás, o alperce e algumas notas ligeiras de frutos tropicais. Na boca, a entrada é muito fresca e elegante. Harmonioso, apresenta uma acidez equilibrada, com uma fruta viva lembrando ananás e alguma pêra. Excelente contraste entre frutos citrinos e tropicais. Muito saboroso, apresenta um final longo.

Um vinho com excelente aptidão para acompanhar comida asiática – tendo inclusivamente já ganho uma medalha de Ouro no ‘Sakura Japan Women’s Wine Awards’ –, assim como saladas, sopas frias, peixes magros, mariscos, carnes brancas, massas com molho branco e também para beber, a solo, numa esplanada, à beira mar ou da piscina.

Encontra-se à venda nos mais variados hiper e supermercados, mas também em algumas garrafeiras ou restaurantes em regime de take away e home delivery. Para além da tradicional garrafa de 750ml (€4,49), existe no formato de bag-in-box (BiB) de dois litros (€7,49), ideal para um piquenique em família ou amigos. De recordar que a Lavradores de Feitoria foi pioneira neste formato, lançado em 2004, na sequência de um desafio feito pelo mercado norueguês. Foi assim uma empresa pioneira, ao ser o primeiro produtor do Douro a engarrafar bag-in-box com direito ao selo de garantia de Denominação de Origem Controlada e, por conseguinte, menção DOC Douro neste formato. 

INFORMAÇÃO TÉCNICA

Lavradores de Feitoria branco 2020 • DOC Douro

PVP: €4,49 (garrafa 750ml) ou €7,49 (BiB 2l) • Álc.: 12,5% • Acidez Total: 5,30 g//l • pH: 3,33

Madalena Vence I Edição da Supertaça do Triângulo

Felicitando a equipa a Câmara Municipal aprovou por unanimidade um voto de louvor ao Madalena pela conquista da Supertaça Dr. Manuel Faria de Castro e Supertaça do Triângulo

O Futebol Clube da Madalena venceu, este domingo, a primeira edição da Supertaça do Triângulo.

Marcando o encerramento da temporada 2020/2021, a equipa madalenense somou o último troféu da época, fazendo o triplete, ao vencer em casa por 3-2 frente ao F. C. da Calheta.

Em representação do Município, esteve presente na cerimónia da entrega de prémios, o Chefe do Gabinete de Apoio à Presidência, Paulo Marcos, que felicitou o clube por mais esta grande vitória, um motivo de orgulho para todo o Concelho.

No apoio à liquidez das empresas e simplificar e desburocratizar o processo de licenciamento industrial na Região Autónoma dos Açores

A Representação Parlamentar da Iniciativa Liberal pretende melhorar o acesso das empresas aos apoios previstos.

A Representação Parlamentar da Iniciativa Liberal remeteu hoje à mesa da Assembleia Legislativa Regional da Região Autónoma dos Açores duas iniciativas para serem discutidas e apresentadas sessão plenária deste mês de maio.
Uma das iniciativas, um projeto de resolução que recomenda ao governo a alteração dos critérios de elegibilidade no âmbito do PROGRAMA APOIAR.PT – AÇORES, foi apresentada com a declaração da urgência e dispensa de exame em Comissão, considerando a pertinência do assunto e a necessidade de uma ação rápida para garantir a prossecução dos seus objetivos.

O Deputado do Iniciativa Liberal considera que existe um agravamento da situação socioeconómica das empresas da Região Autónoma dos Açores devido ao prolongamento no tempo da situação pandémica da Covid-19 e considera sobretudo que as medidas adotadas numa perspetiva de saúde pública provocaram impactos devastadores na atividade das empresas.
Com o objetivo de acelerar e revitalizar a economia açoriana e ao mesmo tempo abranger um maior número de beneficiários que apresentaram decréscimos de faturação elevados no ano de 2020 e primeiro trimestre de 2021, esta iniciativa da representação parlamentar dos liberais Açorianos recomenda ao Governo Regional dos Açores uma alteração ao programa de apoio à liquidez, no que concerne à revisão dos critérios de elegibilidade dos beneficiários e condições de acesso, por forma a alargar o âmbito das atividades económicas suscetíveis de apoio e que possuíram igualmente decréscimos significativos de faturação. Esta recomendação inclui igualmente a revisão dos critérios referentes aos capitais positivos, à data de 31 de dezembro de 2019, que não permitiam o acesso de algumas empresas, que se encontram atualmente em grandes dificuldades. A não elegibilidade dessas mesmas empresas iria provocar ainda mais constrangimentos e contribuir para desigualdade de oportunidades.
A outra iniciativa remetida à mesa da ALRAA hoje pelos liberais açorianos e que será apresentada na próxima quarta-feira em plenário, prende-se com uma segunda alteração ao Decreto Legislativo Regional n.º 5/2012/A, de 17 de janeiro, que estabelece as normas para o exercício da atividade industrial na Região Autónoma dos Açores. Esta é uma medida relevante tendo em consideração que o tecido empresarial industrial regional é, maioritariamente, constituído por micro e pequenas empresas, muitas delas de cariz familiar e que importa sobretudo aliviar os custos inerentes ao investimento e consequente criação de emprego, nomeadamente no que respeita à aplicação das taxas de licenciamento.
Esta alteração, proposta pelos liberais e que se encontrava explanada no seu programa eleitoral sufragado nas últimas eleições regionais de 25 de outubro de 2020, visa introduzir a figura de Atividade Produtiva Regional, que permitirá que pequenas atividades industriais possam desenvolver a sua atividade em espaços em que, inicialmente, não estava prevista a atividade industrial.
Para a realização desta alteração, foi tido em consideração o regime jurídico a nível nacional, que permite que seja autorizada a atividade industrial em espaços previamente licenciados para comércio, serviços e armazenagem, a partir de um simples averbamento por parte da respetiva câmara municipal.
Garante-se assim que esta possibilidade possa ser aplicada a espaços, cuja licença de utilização seja destinada a habitação, com as devidas reservas, no sentido de serem asseguradas condições de independência, autonomia e exclusividade das instalações, isto é, a zona produtiva terá de estar afastada da zona de habitabilidade do agregado familiar, com o objetivo de permitir desde logo, do ponto de vista legal, a entrada das entidades oficiais nas instalações para efetuarem o acompanhamento, controlo e a verificação da rastreabilidade dos produtos.
Também e à semelhança do que acontece no Continente, esta figura de Atividade Produtiva Regional obedece a determinados critérios e encontra-se limitada a determinadas atividades e à produção anual abaixo de certas quantidades. Prevê-se ainda a isenção de taxas pelo período de 5 anos.

António Almeida Presidente da Direção da AAFTH assume-se defensor de uma estratégia de desenvolvimento integrado dos setores da Agricultura, do Turismo e do Ambiente

Eleita nova Direção da AAFTH

 

A Tomada de Posse dos novos Órgãos Sociais da Associação Açoriana de Formação Turística e Hoteleira (AAFTH) decorreu esta segunda-feira de manhã no Restaurante Anfiteatro com a presença da nova equipa e dos seus antecessores.

António Almeida, Presidente da Direção da AAFTH, assume-se defensor de uma estratégia de desenvolvimento integrado dos setores da Agricultura, do Turismo e do Ambiente. Ambiciona promover a valorização dos bens e serviços com distinção certificada no mercado regional, tanto na Região, como fora dela.

“A complementaridade das competências a exercer pela AAFTH com outras organizações empresariais no âmbito do turismo, do comércio e da indústria e dos serviços de restauração será determinante nas dinâmicas económicas que se pretendem para cada uma das nove ilhas dos Açores, qualificando profissionais com capacidade de liderar a defesa e a promoção da genuinidade e da tipicidade caracterizadora dos nossos recursos”, acrescentou.

Rui Bettencourt, Diretor Executivo eleito, declarou que pretende nestes próximos três anos: realizar novos cursos e apresentar novas estratégias pedagógicas; ouvir instituições e empresários; despertar o interesse pelas profissões no Turismo; valorizar a diversidade enriquecedora das diferentes realidades do Turismo em cada ilha dos Açores; criar sinergias com outros estabelecimentos de ensino da Região e, também, a nível internacional através de intercâmbios de experiências, de formadores e de formandos.

Adiantou ainda que dentro de um mês será apresentado o Plano de Ação da Escola de Formação Turística e Hoteleira, que “constituirá a matriz de um projeto educativo próprio, que visa responder àquilo que os empresários, os jovens, os trabalhadores, os açorianos desejam ver no profissionalismo do Turismo”.

A AAFTH é constituída pelo Governo Regional dos Açores, a Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada e a SATA Air Açores, combinando, assim, os objetivos do Executivo Regional e os desideratos das empresas de Turismo.

 

Ponta Delgada é um dos poucos municípios que dispõe de um Plano Municipal para Igualdade e Não Discriminação 2020-2023

Vereador da Cultura exorta instituições públicas e empresas a “saírem do armário” na luta contra a homofobia

Paulo Mendes exortou as instituições públicas e empresas a “saírem do armário” na luta contra a homofobia, a transfobia e a bifobia. O Vereador da Cultura da Câmara Municipal de Ponta Delgada falava hoje no webinar “Ponta Delgada à Conversa”, subordinada ao tema “Discriminação em Função da Orientação Sexual, Identidade e Expressão de Género”.


“Um dos passos essenciais para o trabalho de consciencialização e educação para as questões relacionadas com a discriminação em função da orientação sexual e da identidade de género é assumirmos que estamos todos juntos nesta luta e fazer com que as próprias instituições públicas e empresas possam sair do armário e dar visibilidade à discriminação que a população LGBT enfrenta diariamente”, afirmou.


A conferência online, organizada pela autarquia em parceria com a APF Açores – Associação para o Planeamento da Família, serviu para assinalar o Dia Internacional de Luta Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, “interrogando-nos sobre o que estamos a fazer em matéria de integração plena dos cidadão gays, lésbicas, bisexuais, trans e intersexo”, bem como para “sinalizar a urgência de uma relação mais premente e próxima entre as instituições públicas e a sociedade civil”.


“Persiste um défice de integração que é um problema para todos nós, na medida em que uma sociedade que não garante aos seus cidadãos a possibilidade de amarem quem entenderem e de serem o que entenderem, permitindo que essas opções diminuam a sua condição de cidadão, ou seja, com menos direitos, é uma sociedade que está a minar os seus próprios alicerces”, afirmou.
Segundo o autarca, “face à complexidade, lentidão e, em alguns casos, retrocessos na mudança social, é importante afinar estratégias e maximiza-las no seu impacto”, para “impedir a emergência de potenciais atitudes de discriminação e para que a diversidade não seja um fator de enfraquecimento social, antes pelo contrário”.


O Vereador reiterou o compromisso da autarquia em continuar a desempenhar a sua função, ou seja, “a estimular o debate público, consciencializar as pessoas sobre o tema das discriminações em função de orientação sexual, identidade e expressão de género, identificar a opinião generalizada da população e das próprias vítimas de discriminação, pensar, implementar e executar políticas públicas concretas que garantam a igualdade de oportunidades a todos os cidadãos”, afirmou.


Ponta Delgada é um dos poucos municípios que dispõe de um Plano Municipal para Igualdade e Não Discriminação 2020-2023, através do qual são desenvolvidas ações promotoras do respeito pela liberdade e pela dignidade de cada cidadão e da própria sociedade, “já que esta é uma matéria que é de todos e a todos deve envolver”.


O webinar, transmitido em direto na página de Facebook da autarquia, foi moderado por Maria José Raposo, Presidente da UMAR-Açores, e contou com as intervenções de Cláudia Varejão, cineasta e fotógrafa; Natália Bautista, terapeuta familiar, de casal e sexual e mediadora familiar; Joana Amen, psicóloga; Joana Brilhante, ativista pelos direitos LGBTQ e doutoranda em Direitos Humanos; e Pedro Santos, ativista LGBTI+.


A Câmara Municipal de Ponta Delgada associa-se ainda à celebração do Dia Internacional de Luta contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia com a iluminação, hoje, das arcadas das Portas da Cidade com as cores da bandeira LGBT.