Carlos Ferreira apelou à mudança para se pôr fim a mais de 32 anos de governação socialista e promover assim a democracia plena no concelho sempre em favor dos faialenses

Carlos Ferreira garante tratamento igual e reforço de verbas a todas as juntas, reabilitação da rede viária e incentivos à natalidade

Na apresentação da lista candidata à Junta de Freguesia dos Cedros, Carlos Ferreira reafirmou aos presentes que a sua campanha assenta na “proximidade e na verdade, com um projeto mobilizador para cada freguesia e para voltar a colocar o Faial num lugar de destaque no contexto da região”.

“A política não se faz de ofensas. Faz-se com bons candidatos, boas propostas e vontade de trabalhar pelas nossas freguesias e pela nossa ilha”, disse.

A ilha do Faial vem perdendo população há muitos anos e a freguesia dos Cedros perdeu 16,8% dos seus habitantes nos últimos 20 anos. Por isso, Carlos Ferreira predispôs-se a “criar apoios ao nível da habitação, da natalidade e para as famílias”, sempre com o intuito de “criar empregos, fixar pessoas e recuperar população”, destacou.

Aos presentes afirmou que “trataremos todas as freguesias de igual e até reforçaremos as verbas destinadas às 13 Juntas de Freguesia, para que possam trabalhar e servir melhor as nossas populações”, salientou o candidato à Câmara Municipal da Horta.

A reabilitação das estradas, o apoio às Instituições da freguesia e ao setor agrícola, a concretização do processo de aquisição da nova sede para a Junta de Freguesia, o reforço da rede de abastecimento de água à lavoura e a desratização, são algumas das medidas constantes do manifesto eleitoral que Carlos Ferreira apresentou aos presentes.

E, em linha com o objetivo de criar uma verdadeira rede municipal integrada de zonas balneares, não esqueceu a melhoria da zona balnear do Porto da Eira, como já havia afirmado há quatro anos.

Por fim, Carlos Ferreira apelou à mudança, para se pôr fim a mais de 32 anos de governação socialista e promover assim a democracia plena no concelho, sempre em favor dos faialenses.

Paulo Luís lembrou que o presidente da câmara “alegou a alteração da situação política no concelho para justificar a retirada de competências aos seus vereadores, também eles eleitos pelos praienses”

Praia da Vitória. Irresponsabilidade do PS confirmada em Assembleia Municipal Extraordinária


 
A Assembleia Municipal Extraordinária realizada esta manhã na Praia da Vitória, “veio confirmar a irresponsabilidade da gestão socialista no município, cujas brigas internas colocaram em causa o bom funcionamento da autarquia”, avançou o líder da bancada do PSD, Paulo Luís.
 
A sessão realizou-se a pedido dos deputados municipais da oposição – PSD e CDS-PP -, “com intuito de analisar, no local próprio, os recentes factos ocorridos entre os membros do executivo socialista que, como alguns deles disseram, puseram mesmo em causa o bom funcionamento da autarquia, que se mantém apenas porque o corpo técnico da Câmara Municipal é muito competente”, refere o social democrata.
 
No início da reunião, Paulo Luís lembrou que o presidente da câmara “alegou a alteração da situação política no concelho para justificar a retirada de competências aos seus vereadores, também eles eleitos pelos praienses”.
 
“No nosso entender, tirando o caos que se instalou no PS – uma situação interna de um partido – nada se alterou na situação política da Praia da Vitória. Todo o executivo socialista cometeu a irresponsabilidade de trazer para a dimensão institucional o que se devia manter na dimensão partidária e, por isso, quisemos analisar o problema e as suas consequências, aferindo responsabilidades”.
 
O deputado social democrata acusou o executivo socialista de “manchar a imagem do município”, lamentando que “o dia 12 de julho de 2021 fique marcado na história da Praia da Vitória como um dos dias mais tristes da vivência democrática do nosso concelho”. 
 
“Quando o presidente de uma câmara retira competências aos seus vereadores eleitos, e se demite das suas, por birra e por uma vingançazinha político-partidária, isso diz tudo sobre aquilo que foi a gestão desse executivo”, reitera Paulo Luís.
 
“Assumam aquilo que representa o vosso ato! Abdicaram dos praienses, desistiram de governar os destinos da Praia da Vitória e não estão à altura das responsabilidades que vos foram conferidas. Isto com a conivência de todos os deputados socialistas desta Assembleia”, afirmou o líder da bancada social democrata.
 
“As guerras partidárias do PS e os egos exacerbados de quem protagonizou estes tristes factos colocaram em causa o normal funcionamento da Câmara Municipal, como confirmou hoje parte da vereação presente na Assembleia Municipal”, disse.
 
“Faltaram ao respeito a todos os praienses, que acreditaram e validaram um projeto, que agora, brigadas as comadres, se sabe que nunca existiu”, apontou ainda Paulo Luís.

“Teria sido muito simples ao Governo cumprir a lei mais cedo, pois só tinha de a regulamentar e publicar, para que aquelas pessoas tivessem acesso à dignidade e à integração social. Felizmente, isso vai acontecer já a partir de amanhã, com a entrada em vigor desta legislação”, acrescentou Paulo Moniz.

COFACO. Paulo Moniz congratula-se com publicação da lei que majora apoios sociais para ex-trabalhadores


 


O deputado do PSD/Açores na Assembleia da República, Paulo Moniz, congratulou-se hoje por, “finalmente, ter sido publicada a lei que estabelece um regime especial que facilita o acesso, a majoração de valor e o prolongamento da duração dos apoios sociais a ex-trabalhadores da COFACO na Ilha do Pico”.
 
Publicado em Diário da República, o decreto regulamentar refere-se “a uma proposta nossa, que foi aprovada a 20 setembro de 2020. Ou seja, só quase um ano depois é que se efetiva aquilo que foi uma reivindicação justíssima dos trabalhadores, que têm nesta publicação e entrada em vigor da legislação uma justa vitória”, considera o parlamentar.
 
Recorde-se que, em julho passado, num debate sobre o Estado da Nação, Paulo Moniz criticou o governo de António Costa pelo atraso na regulamentação daquele programa de apoio para ex-trabalhadores da COFACO, tendo mesmo dito que o Primeiro-Ministro demonstrou ser “forte com os fracos e fraco com os fortes”, disse então.
 
Antes disso, Paulo Moniz já tinha apelado ao Presidente da República, pedindo a sua intervenção para o rápido cumprimento desta legislação, uma vez que, “mais de dois meses após a sua publicação, o Governo da República não tinha ainda regulamentado o programa, num claro incumprimento e violação da lei em causa”, explica.
 
“Teria sido muito simples ao Governo cumprir a lei mais cedo, pois só tinha de a regulamentar e publicar, para que aquelas pessoas tivessem acesso à dignidade e à integração social. Felizmente, isso vai acontecer já a partir de amanhã, com a entrada em vigor desta legislação”, acrescentou Paulo Moniz.
 
O social democrata não deixou de recordar que “no decorrer deste processo, muito dos ex-trabalhadores deixaram de receber o subsídio de desemprego, e muitos outros deixaram de ter qualquer apoio ou rendimento”, uma situação “agravada pelo facto de o Pico ter um mercado de trabalho muito limitado, e ainda mais fragilizado com a crise económica e social causada pela pandemia”, conclui.

O Bloco vai estar atento para verificar se PS, PSD e CDS vão votar a favor da proposta como fizeram nos Açores

Fim do corte nas pensões dos ex-trabalhadores da Base das Lajes tem apoio garantido do Bloco de Esquerda na Assembleia da República

O Grupo Parlamentar do Bloco de Esquerda na Assembleia da República vai votar a favor do fim do corte nas pensões que está a ser injustamente aplicado aos ex-trabalhadores da Base das Lajes que se aposentaram antes de 2020. A garantia foi dada hoje pela deputada Alexandra Manes, após uma reunião com a CGTP, na ilha Terceira, em que também esteve presenta Joana Bettencourt, candidata do Bloco à Câmara Municipal da Praia da Vitória.

Em causa está o fator de sustentabilidade, um mecanismo criado 2007 pelo Governo da República para aplicação de cortes nas reformas antecipadas, que apesar de ter sido eliminado em 2020 para várias profissões, incluindo os trabalhadores da Base das Lajes, manteve os cortes para quem se reformou antes de 2020.

No passado mês de julho, o Bloco de Esquerda apresentou no parlamento dos Açores uma proposta, com caráter de urgência, para acabar com esta injustiça, quer para ex-trabalhadores da Base da Lajes, quer para todas as outras profissões, em todo o país, em que existe o mesmo problema.

A proposta do Bloco de Esquerda foi aprovada nos Açores. Mas para ser aplicada tem que ser aprovada também na Assembleia da República.

Neste sentido, o Bloco de Esquerda Açores reafirma que tem a garantia de que o Grupo Parlamentar do partido na Assembleia da República irá votar favoravelmente à proposta.

Alexandra Manes lembra que a proposta do Bloco de Esquerda foi aprovada nos Açores por unanimidade e salienta que a proposta só não será aprovada se mais do que um partido alterar a sua posição na Assembleia da República.

Recorde-se que o Bloco de Esquerda procurou, por várias vezes nos últimos anos, pôr fim a este corte de pensões através de propostas na Assembleia da República, mas estas tentativas foram sempre travadas pelo PS e pelos partidos de direita, PSD e CDS.

O Bloco vai estar atento para verificar se PS, PSD e CDS vão votar a favor da proposta, como fizeram nos Açores, ou se vão manter a posição que têm tido sobre esta matéria, prolongando esta injustiça que penaliza não só ex-trabalhadores da Base das Lajes, mas também  pescadores, trabalhadores marítimos da marinha do comércio de longo curso, de cabotagem e costeira, trabalhadores da extração ou transformação primária da pedra, profissionais de bailado, trabalhadores portuários, controladores de tráfego aéreo e pilotos de aviação, por exemplo.

O PSD e a JSD da Lagoa entendem que é essencial estabelecer prioridades

Lagoa. PSD e JSD questionam autarquia sobre a utilização da Baía de Santa Cruz como zona balnear


 
O PSD e a JSD da Lagoa questionaram publicamente a autarquia sobre as condições de saúde pública e a utilização da Baía de Santa Cruz como eventual zona balnear, manifestando publicamente a sua preocupação com o que consideram ser um problema de saúde pública.
 
Os factos surgiram após a publicação no Diário dos Açores (9 de julho de 2021) de uma notícia sobre a Baia de Santa Cruz e das condições de saúde pública para a sua utilização como eventual zona balnear, mas a JSD/Lagoa “já tinha abordado o assunto, a 25 de junho, em reunião com um dos vereadores, colocando questões relativas ao escoamento de águas residuais e respetivo esgoto que desagua para o mar”, dizem os social democratas.
 
Numa nota de imprensa, referem que a câmara da Lagoa “levou a cabo uma obra numa área muito sensível e com as dificuldades que caracterizam qualquer intervenção na orla costeira. Mesmo sendo prioritária a reabilitação da Baía de Santa Cruz e a sua utilização como zona balnear, essa é uma concretização que já leva muitas décadas de atraso, com sucessivas promessas não cumpridas pela governação autárquica socialista, renovadas pela atual presidente de câmara na campanha eleitoral, em 2017”, dizem.
 
“Trata-se de um atraso inaceitável e que não devia ser resolvido à pressa, com soluções aparentemente improvisadas e tendo apenas como motivação imediata as próximas eleições”, acrescentam.
 
As concelhias do PSD e da JSD consideram que “a bem da transparência, teria sido fundamental que o projeto da intervenção realizado fosse prévia e publicamente conhecido, assim como o seu autor ou o gabinete de arquitetura que o elaborou, o seu prazo de execução e qual o custo total previsível da obra”, explicam.
 
“Afinal, e sem atender às condições de saneamento básico e às suas consequências em matéria de saúde pública, foi apressadamente concluída a intervenção na Baía de Santa Cruz, tendo sido inaugurada no dia 7 de agosto. Porém, no passado dia 15 de agosto, apenas 8 dias depois da sua inauguração, a câmara foi obrigada a encerrar a zona balnear, ainda que sem reconhecer o problema de base, para o qual havia oportunamente sido alertada”, sublinham.
 
O PSD e a JSD da Lagoa entendem que “é essencial estabelecer prioridades, sendo emergente resolver primeiro a situação daquele escoamento de águas residuais, em vez de habilitar no imediato uma zona balnear”.
 
Para os social democratas, “a principal preocupação camarária deverá ser sempre a segurança, o conforto e a qualidade ambiental para os seus munícipes, evitando sempre qualquer situação de negligência e irresponsabilidade, com consequências para a saúde pública”, afirmam.
 
E concluem que “as motivações eleitoralistas da câmara municipal foram desmascaradas pela realidade, mas o seu custo, mais uma vez, será suportado pelos lagoenses”.
 

Pedro Nascimento Cabral assumiu o compromisso de apoiar a instituição na criação de espaços alternativos de educação, formação e integração socioprofissional

Pedro Nascimento Cabral assegura “estreita colaboração” com IPSS de Ponta Delgada


 
O candidato do PSD/Açores a presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, Pedro Nascimento Cabral, assegurou que irá trabalhar em “estreita colaboração” com as instituições particulares de solidariedade social (IPSS) do concelho.
 
“O verdadeiro serviço público prestado pelas IPSS do nosso concelho merece o reconhecimento de todos. As IPSS têm um papel insubstituível no apoio social aos cidadãos mais vulneráveis e necessitam, por isso, do apoio das entidades públicas para continuarem a assegurar esse valioso trabalho”, afirmou o social-democrata após uma reunião com o conselho de administração da KAIRÓS, numa iniciativa conjunta com a JSD.
 
Após a visita às instalações da valência PerKursos, foram abordados em reunião alguns projetos e necessidades que carecem de apoio.
 
Pedro Nascimento Cabral assumiu o compromisso de apoiar a instituição na criação de espaços alternativos de educação, formação e integração socioprofissional e de incubação de iniciativas de economia solidária, com carácter permanente e consistente, por forma a garantir que estes espaços estão disponíveis 365 dias por ano junto das crianças e jovens que deles usufruem.
 
Outra das necessidades da instituição passa pela contratação de recursos humanos com especialização e disponibilidade para integrar as equipas técnicas e desenvolver com maior consistência os ateliês disponíveis. 
 
O candidato à Presidência da Câmara de Ponta Delgada manifestou total disponibilidade para que exista, da parte da autarquia por si presidida, um compromisso de parceria para o efeito.
 
A KAIRÓS quer, ainda, intervir na comunidade colaborando na realização de projetos de desenvolvimento local e coesão territorial, nomeadamente na mobilização de recursos junto das freguesias rurais do concelho.
 
Foi também realçada a importância do desenvolvimento social local através de uma Rede Comunitária de Solidariedade e Cooperação, na qual se articulem os projetos dos diversos parceiros sociais do concelho.

A titular da pasta da Educação entregou três cartões-prémio no valor de 500€, 350€ e 150€ aos vencedores do concurso promovido na página do Grades

A Secretária Regional da Educação, Sofia Ribeiro, entregou hoje, em Ponta Delgada, a dois jovens açorianos, três cartões prémio para aquisição de equipamento na área das Tecnologias de Informação e Comunicação.

Os dois alunos do ensino secundário, Afonso Resendes e João Rego, desenvolveram a plataforma Grades Up, “uma rede social de adesão livre, aberta, gratuita e inovadora, que se desenvolve através de um sistema de publicações online com explicações de matéria lecionada nas várias disciplinas, onde todos os intervenientes podem colaborar uns com os outros”, explicou Sofia Ribeiro.

A plataforma inovadora pretende apoiar os alunos entre o 7.º e o 12.º ano de escolaridade, contemplando a atribuição de prémios para quem realizar determinadas tarefas ou objetivos. Foi nesse sentido que a titular da pasta da Educação entregou três cartões-prémio “no valor de 500€, 350€ e 150€, para os dois empreendedores entregarem aos vencedores do concurso promovido na página do Grades Up”.

Sofia Ribeiro realçou a boa aceitação do conceito, “que veio complementar o desafio do ensino à distância, permitindo o esclarecimento de dúvidas e explicações online, beneficiando, assim, os jovens de todas as ilhas da Região, em especial os alunos com menos recursos”.

Com esta atribuição de prémios, “o Governo Regional enaltece o trabalho destes dois açorianos verdadeiramente empreendedores, e incentiva a criação e desenvolvimento destas iniciativas nas camadas mais jovens em prol da educação”, referiu Sofia Ribeiro.