As quatro armas de fogo e cartuchos foram apreendidos devido aos seus detentores não possuírem cofre ou armário

DIVISÃO POLICIAL DE ANGRA DO HEROÍSMO

 

A Divisão Policial de Angra do Heroísmo, através da Brigada de Fiscalização de Armas e Explosivos da Esquadra da PSP das Velas, na sequência de uma operação de fiscalização direcionada a proprietários de armas de fogo, licenciados em regime de Licença de Uso e Porte de Arma e em regime de Detenção Domiciliária a 10 anos, no dia 24 de Fevereiro, nas freguesias de Velas, Rosais, Santo Amaro, Urzelina e Manadas, procedeu à apreensão de quarto armas de fogo longas e 82 cartuchos.

 

As quatro armas de fogo e respetivos cartuchos foram apreendidos devido ao facto dos seus detentores não possuírem cofre ou armário de segurança não portáteis para a sua guarda, com nível de segurança mínima de acordo com a norma europeia EN 14450 – S1 ou nível de segurança equivalente.

 

Com mais esta ação, a Divisão Policial de Angra do Heroísmo, pretende dar continuidade à estratégia de intervenção, organizada e sistemática, com a finalidade de controlar, detetar, localizar, prevenir a introdução, assegurar a remoção ou verificar a regularidade da situação de armas, seus componentes e suas munições. 

 

Mais uma vez os cobardes fugiram da Ucrânia

A EUROPA FUGIU

A AMÉRICA ABANDONOU MAIS UM PAÍS QUE INCENTIVARAM À NATO

A RÚSSIA atravessará a Europa com governos fantoches nos países cobardes que for ocupando.

Nos próximos cinco anos estará em Portugal com ajuda dos partidos da esquerda e alguns membros do atual e do novo governo da República.

Esta noite e segundo o presidente ucraniano, a Ucrânia voltou a questionar a União Europeia sobre uma possível adesão do país na NATO, mas os cobardes “não responderam”.

“Mas nós não temos medo de nada. Não temos medo da Rússia”, vincou.

O Afeganistão foi abandonado pelos mesmos cobardes (AMÉRICA e países da EUROPA) quando os talibãs estavam aproximar-se de Kabul.

Os paises perto da Ucrânia e da Rússia estão assustados e a Polónia, Roménia e Moldávia não querem forças da NATO nos seus territórios. Ao contrário, do que afirmam os governantes da República de Portugal (Primeiro Ministro e Presidente da República) a Roménia não quer forças portuguesas e outros militares da Europa no país.

A Rússia está a preparar governantes fantoches nos vários países da Europa para tomar de assalto o poder, enquanto os atuais governos vão discutir como irão defender os seus paises da Europa.

Campeonato de Portugal Praiense 2 – Sertanense 0 Final

Serie D – 15. Jornada

Estádio Municipal da Praia da Vitória

Árbitro Renato Gonçalves (AF Guarda)

Assistentes André Ferreira e Fábio Tarrafa

PRAIENSE

41 Gustavo Abdo

45 Rogério (8 Paulo Matos, 85)

20 Bruno Silva

54 Rafael Tavares (cap)

7 Luís Filipe

25 Nelson

16 Pedro Matos

70 Kalika ( 28 Ivo Claudio, 79)

11 Petterson

24 Ibeh (99 Yuri, 85)

13 Josemar (10 Lucas, 39)

Suplentes

1 Pedro Silva

3 Danilo Monteiro

26 Mango

28 Ivo Cláudio

8 Paulo Matos

9 Lucas

99 Yuri

Treinador Bruno Álvares

SERTANENSE

17 Pedro Simões

5 Luis Martins (cap)

8 Mauro Santos

9 Muacir

10 Rafa Pinto ( 28 Fabio Lopes, 80)

14 Leão ( 2 Mateus , 46m)

26 Branco ( 4 Marco Fetnandes, 46m)

68 Bernardo

77 Karamoko (23 Nico, 67m)

80 Ibouka

98 Desally

Suplentes

1 Daniel

2 Matheus

4 Marco Fernandes

6 Dani

13 Rodas

23 Nico

28 Fabio Lopes

Treinador Natan Costa

Resultado ao intervalo 2 -0

1-0 por Josemar (penaty, 38m)

2-0 por Lucas (43)

Disciplina Cartão amarelo para Branco (33), Rogerio (65), Nelson (77)

O deputado social-democrata aponta o dedo ao PS a propósito das acusações feitas pelos socialistas sobre os procedimentos técnicos de prevenção da pandemia COVID-19

Partido Socialista lança “campanha de difamação” sobre profissionais de saúde do HSEIT

O deputado do PSD/Açores Rui Espínola lamentou hoje que o Partido Socialista tenha lançado uma “campanha de difamação” sobre os profissionais de saúde do Hospital do Santo Espírito da Ilha Terceira (HSEIT), feita com base em “boatos e rumores”.

“Esta atitude visa uma campanha de difamação contra o HSEIT e os seus profissionais. É isto que está aqui em causa”, afirmou o deputado social-democrata, que aponta o dedo ao PS a propósito das acusações feitas pelos socialistas sobre os procedimentos técnicos de prevenção da pandemia COVID-19 seguidos naquela unidade hospitalar.

A matéria esteve esta manhã em cima da mesa em audições ao Secretário Regional da Saúde e Desporto e à administração do HSEIT, na Comissão de Assuntos Sociais da Assembleia Legislativa dos Açores.

Rui Espínola considera “gravíssimas as supostas informações obtidas do circuito intra-hospitalar e de registos clínicos, o que ainda é mais gravíssimo”, e a divulgação de “boatos e rumores lançados pelo Partido Socialista”.

“É inadmissível vindo de um partido político com as responsabilidades que teve no passado que é o Partido Socialista, protagonizado pelo seu líder parlamentar, pelo deputado que foi até há pouco tempo Diretor Regional da Saúde e responsável pela Autoridade Regional de Saúde, numa altura em que houve contaminação dentro dos hospitais com consequências gravíssimas e agora passa uma esponja por cima”, frisou.

Para Rui Espínola, impõe-se “ter confiança nos nossos profissionais de saúde para, que as pessoas se sintam seguras e tranquilizadas”, conclui no final da audição.

“Diria que perdemos uma geração com as governações do PS nos Açores”, disse Joaquim Machado, reeleito líder dos TSD AÇORES

Para o líder reeleito dos TSD/Açores, Joaquim Machado, existe uma tarefa “que não é fácil”

Porque “a Região que recebemos está carecida de muita coisa que é essencial e indispensável, com as finanças públicas encontradas em estado mais fragilizado do que apontavam as previsões mais pessimistas”, alertou.

“Afinal, em vez de um ficcionado excedente orçamental e de dinheiro nos cofres da tesouraria pública, encontrou-se dívida e mais dívida, compromissos, cartas de conforto e toda a sorte de instrumentos que afundam as finanças na penúria e podem comprometer gravemente o futuro dos Açores”, disse o dirigente.

Joaquim Machado acredita “num estreitar da relação entre os políticos e os eleitores, que nos Açores se vê como uma carência bem patente nos elevados números da abstenção. As pessoas estão afastadas da política, e cabe-nos minimizar isso”, avançou.

“Diria que perdemos uma geração com as governações do PS nos Açores”, disse.

Para o presidente dos TSD/Açores, “seria um erro gravíssimo persistir nas mesmas políticas, apesar de novos protagonistas, esperando resultados diferentes dos obtidos durante a governação socialista”.

Também presente na sessão de encerramento, o secretário-geral nacional dos TSD, Pedro Roque, enalteceu “o esforço e o trabalho do atual Governo Regional, “face ao atraso estrutural que os Açores apresentaram durante tantos anos, que é recuperável”, esperando que isso a que aconteça com este Executivo, que se mostra apto para a recuperação económica e o aproveitamento dos fundos estruturais disponíveis”.

Joaquim Machado foi reeleito presidente do Secretariado Regional dos TSD/Açores, tendo a sua moção global de estratégia “Emprego e dignidade” sido aprovada por unanimidade.

A Transinsular garante o regresso à normalidade no abastecimento da região

Navio-tanque “Nordic Sira” entra em operação

Na Região Autónoma dos Açores

 

Chegado no passado dia 16 de Fevereiro a Ponta Delgada, o navio-tanque “Nordic Sira” inicia hoje as operações de abastecimento de combustíveis na Região Autónoma dos Açores.

 

No que respeita ao itinerário, o mesmo deverá iniciar-se com o abastecimento da ilha Terceira, regressando após a finalização da operação a Ponta Delgada, ilha de São Miguel.

 

Para Matthieu Roger, CEO da Transinsular “não é demais sublinhar a forma rápida e eficaz como a Transinsular, em coordenação com a autoridade marítima nacional e a autoridade portuária, geriu e resolveu esta situação, o que demonstra o nível de compromisso que a empresa tem para com os Açores”. Acresce ainda que “a bordo do navio Nordic Sira, estará um responsável recrutado pela Transinsular, tecnicamente designado supercargo, com um forte conhecimento da região, que ao longo do tempo de operação deste navio, acompanhará toda a tripulação, cooperando com a mesma e atuando como facilitador em todas as necessidades da operação.“

 

A Transinsular garante assim o regresso à normalidade no abastecimento da região, depois do incidente com o navio “São Jorge”.

 

 

Joaquim Machado salientou o resultado eleitoral de 2020, “trouxe ao PSD a grande responsabilidade de governar os Açores”, quebrando um ciclo longo de péssimas políticas socialistas

Joaquim Machado disse esta sexta-feira que a Região tem de recuperar “das muitas oportunidades perdidas pela governação socialista”, numa herança “que nos deixou com os piores indicadores sociais da União Europeia (UE)”.

O social-democrata falava na sessão de abertura do IX Congresso Regional dos TSD/Açores, na Praia da Vitória, tendo frisado que, nos últimos 24 anos, “não fomos capazes de aproveitar os fundos comunitários para tirar os Açores dessa realidade”, sendo urgente “promover a convergência económica com a média comunitária”, adiantou.
 
“Nos últimos 15 anos, a Região recebeu 500 mil euros por dia da UE, mas falharam as opções e estratégias, e os resultados estão à vista de todos”, atalhou, sublinhando que “não foi suficiente para deixarmos de ser os mais pobres da Europa, com a maior taxa de abandono precoce de educação e formação, registar os níveis mais elevados do país no consumo de estupefacientes ou de gravidez na adolescência, a maior incidência de beneficiários do rendimento social de inserção, e assim por diante”.
 
Mas o resultado eleitoral de 2020, “trouxe ao PSD a grande responsabilidade de governar os Açores”, quebrando um ciclo longo de políticas socialistas “muitas vezes errantes, desajustadas das reais necessidades dos açorianos, com graves resultados sociais e económicos e impacto negativo na vida das novas gerações”, lembrou Joaquim Machado.
 
Que destacou “o muito que já foi feito, na área laboral, pelo atual governo açoriano – do PSD, CDS-PP e PPM -”, como “o fim da precariedade do pessoal docente, a regularização das carreiras dos enfermeiros e técnicos de diagnóstico e terapêutica, ou a redução de trabalhadores dos programas ocupacionais em funções que correspondem a necessidades permanentes”.
 
E referiu igualmente “a diminuição do IRS, que só agora se faz sentir, ou do IVA, que se traduzem em mais rendimento disponível para os trabalhadores. Assim como a atualização da remuneração complementar em dois anos consecutivos, e dos complementos de pensão e reforma”, elencou.
 
Joaquim Machado falou de “uma prática política de grande pendor social, prova evidente de que estamos ao lado dos trabalhadores, dos reformados, daqueles que mais necessitam das ajudas públicas. Numa palavra, de verdadeira solidariedade social”.

Abriu igualmente um parêntesis para dizer que “a taxa de desemprego registada nos Açores em 2021, de 7,2%, sendo a terceira mais alta do país, é inferior à verificada em 2019, antes da pandemia e dos inerentes constrangimentos económicos que todos sentimos. É ainda o segundo valor mais baixo desde 2010”, explicou.
 
Joaquim Machado alertou ainda para “a dívida da Região, deixada pelos socialistas, que é o que se sabe mais o que não se sabia e que o Governo da Coligação vai descobrindo a cada dia que passa, mesmo passados 15 meses sobre o início de funções”.
 
“São centenas de milhões na SATA, mais ainda na SAUDAÇOR, também na SINAGA, na Santa Catarina, um nunca mais acabar”, referiu.
 
E apontou que o Programa Operacional Açores 2020-30 “pode ser a derradeira oportunidade”, sendo que “a educação e a formação deverão ser apostas sérias, consequentes, bem-sucedidas, parafazer crescer o PIB regional, a produtividade e a competitividade das nossas empresas”.
 
A concluir, Joaquim Machado reiterou que, dentro do partido, “os TSD/Açores continuarão a ser uma voz autónoma, defensora dos trabalhadores e do movimento sindical”, e certamente “apoiante da solução governativa não socialista que os eleitores exprimiram em outubro de 2020. Sugerindo alternativas e construindo soluções”.
 
“Os Açores não podem voltar atrás. Nem perder mais tempo. É chegada a hora do progresso. Também de mais emprego, com dignidade. Os açorianos merecem”, disse ainda.
 
O IX Congresso Regional dos TSD/Açores prossegue este sábado, com a eleição dos órgãos regionais e a sessão de encerramento às 17h00, com a presença do Secretário-Geral dos TSD, Pedro Roque, e do Presidente do PSD/Açores, José Manuel Bolieiro.

Para o parlamentar “a lei deve ser muito precisa quanto às exceções que permitem o abate compulsivo”

Animais errantes. PSD/Açores apresenta propostas de alteração a iniciativa do Governo

O deputado do PSD/Açores, Bruno Belo, anunciou hoje que o partido irá apresentar propostas de alteração ao diploma do Governo Regional sobre o controlo da população de animais errantes, com o grande objetivo de “clarificar as exceções ao abate”.

Para o parlamentar, “a lei deve ser muito precisa quanto às exceções que permitem o abate compulsivo. Os Açores têm de ser uma referência no bem-estar dos animais, indicador de uma sociedade evoluída”, pretendendo retirar “normas discricionárias”. Os social-democratas pretendem assim subtrair do texto diploma quaisquer normas que sejam subjetivas.

O deputado argumenta que “as exceções só devem existir em casos e circunstâncias muito específicas. Por isso, a legislação deve ser o mais objetiva possível. Os nossos médicos veterinários e a Autoridade Regional Veterinária assumem aqui um papel fundamental, no cumprimento deste desígnio, pois são eles que detêm conhecimento técnico que vai permitir o controlo e o rigor da aplicação da lei”.

As propostas de alteração do grupo parlamentar do PSD ao Decreto Legislativo Regional que define as “medidas de controlo da população de animais de companhia ou errantes” darão entrada em breve na Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores.

A quinta edição do Orçamento Participativo – o OP Açores conta com um valor total de 1,2 milhões de euros em que se inclui pela primeira vez a área da educação

O Conselho do Governo, reunido hoje, em Ponta Delgada, deliberou:

1 – Aprovar a concessão, pela Presidência do Governo Regional, de subsídios e outras formas de apoios financeiros a entidades públicas e privadas, sem fins lucrativos.

2 – Aprovar o programa “Novos Idosos”. Este é um projeto piloto inovador na Região Autónoma dos Açores, no âmbito do PRR, que prevê a permanência dos idosos no seu domicílio, dotando-os das condições necessárias para os efeito. É um projeto que consta do Programa do Governo e que vem ao encontro das necessidades das famílias açorianas, e realizado em parceria com as instituições particulares de solidariedade social.

3 – Prorrogar o programa APOIAR.PT Açores, que é um extenso programa regional de apoio ao setor empresarial, através da compensação das quebras de faturação associadas às redução de atividade resultante da pandemia de covid-19. Vai permitir compensar as quebras de faturação das empresas de 1 de novembro de 2021 a 31 de janeiro de 2022. Esta medida tem permitido aliviar o impacto da pandemia nas nossa empresas e que tem sido muito solicitado pelas organizações do sector, desde logo a AHRESP.

4 – Criar o Laboratório de Modernização da Administração Pública Regional dos Açores – o Incuba. Açores, no âmbito do PRR. Irá capacitar a Administração Pública Regional dos Açores com competências, ferramentas e meios necessários para permitir o desenho dos seus serviços, de caráter inovador, assentes em metodologias e tecnologias digitais.

5 – Autorizar a SRFPAP a dar início imediato à operação de financiamento prevista no ORAA de 2022, tendo em atenção os riscos de agravamento das condições de financiamento nos mercados financeiros nos próximos meses.

6 – Aprovar a quinta edição do Orçamento Participativo – o OP Açores, por entender ser um importante mecanismo de participação cívica dos açorianos ao qual impõe dar continuidade. Esta edição conta com um valor total de 1,2 milhões de euros, em que se inclui pela primeira vez a área da educação.

7 – Autorizar a cedência de utilização, a título precário e gratuito, pelo período de 10 anos, à Delegação de Vila do Porto do Núcleo das Ilhas de S. Miguel e Sta. Maria da Liga dos Combatentes, de um imóvel em Vila do Porto para desempenho da sua missão.

8 – Autorizar a cedência, a título definitivo e gratuito, à Freguesia da Criação Velha, de um prédio urbano no concelho da Madalena, tendo por fim a demolição do imóvel, com vista a melhorar a circulação na zona e a criação de um parque de estacionamento.

9 – Adaptar à administração regional autónoma da Região Autónoma dos Açores o regime jurídico que estabelece o regime de constituição, os direitos e os deveres a que ficam subordinadas as associações de pais e encarregados de educação regionais.

10 – Criar uma estrutura de missão, no âmbito da saúde mental na Região Autónoma dos Açores, designada por Estrutura para a Saúde Mental.

11 – Apoiar, na época desportiva de 2021/2022:

a. Associação de Jovens da Fonte do Bastardo em 22.546,35 € (vinte e dois mil quinhentos e quarenta e seis euros e trinta e cinco cêntimos) para participação nos 1/4 de final da Challenge Cup 2022-Men, em seniores.

b. O Grupo Desportivo do Centro Social do Juncal em 4.108,05 € (quatro mil cento e oito euros e cinco cêntimos) para participação na Fase de Grupos da Europe Cup Woman, em seniores;

c. A Associação de Jovens da Fonte do Bastardo em 14.819,13 € (catorze mil oitocentos e dezanove euros e treze cêntimos) para participação nos 1/8 de final da Challenge Cup 2022-Men, em seniores.

12 – Aprovar a primeira alteração do Decreto Legislativo Regional n.º 24/2007/A, de 7 de novembro, que estabeleceu o regime jurídico da atividade apícola, bem como as normas a que obedecem a produção, transformação e comercialização de mel na Região Autónoma dos Açores, pretendendo-se assim reforçar as medidas tendentes a preservar e valorizar as abelhas, otimizar a produção apícola na Região Autónoma dos Açores, bem como melhorar a regulamentação relativa à atividade apícola na Região.

13 – Aprovar o Plano Estratégico para a Viticultura na Região Autónoma dos Açores.

14 – Autorizar a contratação, mediante a abertura de um Concurso Público, para celebração de contrato de “PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ELABORAÇAO DO PROJECTO DE EXECUÇÃO E ANÁLISE DE PROPOSTAS DA EMPREITADA DO TECNOPOLO – MARTEC – PRR”.

15 – Colocar em consulta pública, através do Portal do Governo, a anteproposta da Estratégia dos Açores para o Espaço. Esta proposta já foi alvo de um debate público em 11 e 12 de novembro no Teatro Micaelense com várias entidades que deram o seu contributo sobre a matéria.

16 – Colocar em consulta pública, através do Portal do Governo, a anteproposta do PEPGRAA – Programa Estratégico de Prevenção e Gestão de Resíduos dos Açores.

17 – Aprovar o POTRAA, um programa sectorial para o turismo que constitui um instrumento fundamental de regulação deste sector, na perspetiva da sustentabilidade do seu desenvolvimento. Com a aprovação do Relatório Final de revisão do POTRAA, seguir-se-á, de imediato, a apresentação à Assembleia Legislativa da respetiva proposta de enquadramento normativo através de Decreto Legislativo Regional

18 – Criar o programa de apoio financeiro ao serviço público de transporte em táxi na Região Autónoma do Açores para profissionais que não exercem a atividade em regime de exclusividade, com referência ao primeiro semestre do ano de 2021, em virtude destes profissionais terem ficado excluídos do âmbito de aplicação dos apoios previstos no Decreto Legislativo Regional n.º 5/2021/A, de 24 de março, mas que também foram atingidos pela crise pandémica provocada pela doença covid-19.

19 – Criar o Passe de Antigo Combatente na Região como modalidade tarifária que confere uma isenção total do pagamento do título mensal ou de utilização de 30 dias consecutivos, nos transportes regulares coletivos intermunicipais ou municipais urbanos da ilha de residência habitual do beneficiário.