Para Paulo Moniz “Face a tudo o que constava das nossas propostas, o PS chumbou-as na totalidade, mas aprovando as suas, ainda que vagas.”


OE2022. PSD votou a favor de todas as propostas socialistas relativas aos Açores
 


O deputado à Assembleia da República Paulo Moniz sublinhou hoje que o PSD “votou a favor de todas as propostas do Partido Socialista de alteração ao Orçamento do Estado (OE2022) relativas aos Açores”, numa atitude “em prol da Região e pondo sempre primeiro os Açores, ao contrário do PS, que chumbou as nossas seis propostas fundamentais”, lembrou.
 
“Tivemos uma postura completamente diferente da do PS, antagónica mesmo, pois o nosso interesse e prioridade são melhorar a vida aos cidadãos açorianos, mediante medidas de emanação estatal, mas que influenciam o seu dia-a-dia”, avançou.
 
“As opções partidárias nunca foram o foco das nossas opções e pusemos sempre primeiro os supremos interesses de todos os açorianos”, frisou o social-democrata.
 
Paulo Moniz lamentou mesmo “os votos contra dos deputados socialistas, entre eles os eleitos pelos Açores, que não hesitaram no apoio total a um orçamento que penaliza as nossas ilhas com menos 20 milhões de euros, e que não dá respostas imediatas a vários problemas e anseios dos açorianos”.
 
Recorde-se que os social-democratas apresentaram propostas de alteração ao OE 2022 para isentar os pagamentos à Segurança Social dos empresários de São Jorge afetados pela crise sismo-vulcânica; avançar com o contrato de financiamento à Universidade dos Açores; acelerar o processo de substituição do cabo submarino de comunicações entre o Continente e os Açores; desbloquear a continuação das obras decorrentes da passagem do furacão Lorenzo; a construção da nova cadeia de Ponta Delgada e a ampliação da pista do Aeroporto da Horta.
 
“Face a tudo o que constava das nossas propostas, o PS chumbou-as na totalidade, mas aprovando as suas, ainda que vagas, pelo que o OE2022 apenas terá inscrito o início do projeto de construção da nova cadeia de Ponta Delgada e o início do projeto de ampliação da pista do Aeroporto da Horta, o que consideramos meramente curto para tais medidas e para as outras aspirações dos Açores”, considerou.
 
“Ainda mais face a um governo com maioria absoluta, mas que nem assim ouviu ou atendeu a todas as necessidades próximas das nossas ilhas”, concluiu Paulo Moniz.
 

Paulo Silveira saudou o Governo Regional dos Açores pelo “salto extraordinário” com as novas medidas tomadas nos transportes marítimos e aéreos para São Jorge

São Jorge. PSD/Açores saúda Governo por “salto extraordinário” nos transportes

O deputado do PSD/Açores Paulo Silveira saudou hoje o Governo Regional pelo “salto extraordinário” com as novas medidas tomadas nos transportes marítimos e aéreos para São Jorge.

O parlamentar social-democrata falava à saída de uma reunião com a Câmara do Comércio de São Jorge, no âmbito das Jornadas Parlamentares que decorrem até sexta-feira. Iniciativa esta que serve para “sentir o pulso a São Jorge, na conjuntura atual que vivemos de crise sismo-vulcânica”, frisou Paulo Silveira.

Já no próximo verão, a ilha passará de duas para quatro ligações diárias por via marítima com o Pico e Faial, a que se acrescenta o cruzeiro de três pernoitas nas Velas. “É um passo muito importante, um compromisso do Manifesto Eleitoral do PSD que será cumprido”, congratula-se o parlamentar social-democrata.

Ao nível dos transportes aéreos “assiste-se ao maior aumento de lugares e de voos de sempre em São Jorge. Vamos ter 28 ligações semanais, 14 de São Miguel e 14 da Terceira. É um grande incremento. Mais do que qualquer medida de apoio à economia de São Jorge, esta é uma medida que todos os empresários querem”, realça Paulo Silveira.

O deputado do PSD/Açores considera “a mobilidade para os jorgenses fundamental. A melhor condição para o nosso desenvolvimento económico”.

Paulo Silveira destaca ainda “o esforço assinalável deste Governo em relação a São Jorge, nomeadamente no que diz respeito às medidas de apoio economia devido à crise sismo-vulcânica”.
Aponta os casos concretos do programa APOIAR.PT – cujas candidaturas estão abertas até 31 de maio -, ao Voucher que se encontra disponível para todos os que pretendam visitar a ilha de São Jorge, à isenção de taxas e licenças para as empresas que exercem atividades marítimo-turísticas.

Paulo Silveira admite, por outro lado, “que será necessário limar algumas arestas, melhorar alguns aspetos das medidas.”

“Como o Presidente do Governo disse, o executivo estará sempre disponível para analisar outras medidas que poderão vir a ser implementadas. Portanto, há abertura para ir avaliando a situação”, acrescentou.

O deputado social-democrata não deixa de salvaguardar que o PSD/Açores e o Governo Regional pretendem “concretizar melhorias ao contrário de outros que não o fizeram”.

Para Paulo Silveira, “o Partido Socialista esta semana deu-se ao desprezo a São Jorge de chumbar na Assembleia da República uma medida de apoio aos nossos empresários, nomeadamente a isenção de contribuições para a Segurança Social”, lamentou o parlamentar social-democrata, sublinhando que “este apoio de isenção das contribuições à Segurança Social seria fundamental para os nossos empresários neste ano de 2022”.

Esta atitude do Partido Socialista “não contribui de maneira nenhuma para o futuro de São Jorge. O futuro de São Jorge faz-se com ação, com medidas, que é o que este Governo está a fazer e bem, sempre com consciência que há mais e melhor a fazer, tomando medidas e agindo, não é cortando as oportunidades aos nossos empresários”, rematou.

A cooperação pretende entre os seis Municípios tornar-se no desejado desenvolvimento económico e sociocultural das três Ilhas

LUÍS SILVEIRA ELEITO PRESIDENTE DA AMT – ASSOCIAÇÃO DE MUNICÍPIOS DO TRIÂNGULO

A Intermunicipal da AMT – Associação de Município do Triângulo, reuniu nas Velas, em São Jorge, tendo como objetivo eleger os seus novos órgãos sociais.

Luís Silveira, Presidente do Município de Velas foi eleito para assumir a presidência da Associação que junta os seis Municípios das Ilhas de São Jorge, Pico e Faial, tendo como Vice-Presidente Carlos Ferreira (CMH). Ana Brum (CML), Décio Pereira (CMC) e Luís Filipe Silva (CMSR), foram eleitos para o cargo de Vogal do Conselho Executivo.

No Concelho Fiscal a Presidência é de Carlos Morais (CMH), tendo como Vice-presidente Catarina Manito (CMM) e Vogal Marco Almada (CMV).

A Mesa da Intermunicipal é presidida por José António Soares (CMM), sendo Vice-presidente Maria Teresa Cândido e Secretária Lena Amaral.

Entre os vários objetivos da atual direção, assume maior relevo o da promoção do destino “Triângulo”, complementado com a beleza ímpar e sublime destas três Ilhas, um destino apetecível que interessa promover e defender dentro do destino Açores.

A cooperação que se pretende entre os seis Municípios poderá tornar-se no há muito e tão desejado desenvolvimento económico e sociocultural destas três Ilhas que se complementam entre si, quer no plano paisagístico, quer nos seus usos, costumes e tradições.

Luís Silveira tem como objetivo afirmar a AMT como uma marca forte desde importante destino turístico, criando riqueza nas três Ilhas e gerando postos de trabalho e o desenvolvimento harmonioso das mesmas.

Uma draga que irá servir para extração de areia nalgumas ilhas do grupo central

Draga para extração de areia no grupo central deve chegar na próxima semana, avança Berta Cabral

A Secretária Regional do Turismo, Mobilidade e Infraestruturas, Berta Cabral, informou que é estimado que, no final da próxima semana, chegue uma draga que irá servir para extração de areia, colmatando a falta de areia que se faz sentir nalgumas ilhas do grupo central.

A referida draga, da Tecnovia, chegará aos Açores proveniente da Madeira.

“A União Europeia enfrenta um período muito complexo da sua história” considerou o Presidente Luís Garcia

O Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores (ALRAA), Luís Garcia, apelou na cidade da Horta

A uma maior e melhor participação dos açorianos “na vida das instituições europeias”, a começar pelo próprio Parlamento dos Açores, que no seu entender deve “intensificar” a sua ação “na construção do projeto europeu”.

Num discurso proferido durante a Sessão Comemorativa do Dia da Europa, que teve lugar ao final da tarde de ontem, em frente à sede do Parlamento açoriano, o Presidente Luís Garcia sublinhou a necessidade de os Açores serem “mais ouvidos pelas instituições europeias na fase de definição das políticas”, reivindicando também “o direito de participação no Parlamento Europeu através de um círculo eleitoral próprio”.

O Presidente da Assembleia Legislativa saudou a apresentação da nova Estratégia para as Regiões Ultraperiféricas da União Europeia, recentemente anunciada, lançando um novo desafio a todos os agentes políticos e sociais da região para contribuírem para a definição de ações e estratégias que potenciem o desenvolvimento das regiões ultraperiféricas, alertando uma vez mais para a necessidade de boa aplicação dos fundos disponibilizados pela Europa.

O Presidente Luís Garcia justificou a escolha do exterior do edifício da Assembleia para a realização desta Cerimónia Comemorativa do Dia da Europa com a proximidade das ilhas vizinhas, que considera serem “um retrato puro da insularidade” e da “ultraperiferia” que caracterizam os Açores e identificam “o quanto acrescentamos a Portugal e à União Europeia”.

“É com toda a nossa pequenez e ultraperiferia que lhe damos uma dimensão e centralidade atlântica, uma posição geoestratégica ímpar, que lhes garantimos um laboratório vivo para a investigação científica do mar, e que lhes oferecemos um exemplo de sustentabilidade ambiental”, sublinhou o Presidente Luís Garcia.

No dia em que o projeto de cooperação política na Europa, idealizado por Robert Schuman, perfez 72 anos, o Presidente do Parlamento Açoriano destacou ainda que o caminho para a manutenção da paz só é possível através do diálogo e da concertação de ideias, apelando, novamente, ao fim do conflito na Ucrânia.

“A União Europeia enfrenta um período muito complexo da sua história”, considerou o Presidente Luís Garcia, enunciando os vários desafios que a Europa tem enfrentado nos últimos tempos e considerando que a realidade atual “requer a crescente promoção dos valores e objetivos comuns do projeto europeu”.

No final da sua intervenção, o Presidente da Assembleia convidou a assistência para um minuto de silêncio em memória das vítimas da guerra na Ucrânia, a que se juntaram mais de uma centena de convidados presentes, entre os quais os deputados da ALRAA e membros do Governo Regional dos Açores.

Durante a Sessão Comemorativa do Dia da Europa, foram ainda hasteadas as bandeiras de Portugal, da Região Autónoma dos Açores e da Europa ao som dos respetivos Hinos, interpretados pelo Grupo Coral da Horta, que encerrou o ato comemorativo com a interpretação dos temas açorianos “Atlântico” e “Ilhas de Bruma”.

O Grupo Parlamentar do CDS-PP saúda o XIII Governo Regional dos Açores por ter anunciado o início da operação de um avião cargueiro previsivelmente depois do verão de 2022

Avião cargueiro: CDS-PP saúda início da operação nos Açores

O Grupo Parlamentar do CDS-PP saúda o XIII Governo Regional dos Açores por ter anunciado, nesta terça-feira, o início da operação de um avião cargueiro, previsivelmente depois do verão de 2022.
A Deputada Catarina Cabeceiras recorda que se trata de uma reivindicação antiga do CDS-PP Açores, a qual remonta ao ano de 2009, sob a liderança parlamentar de Artur Lima, e que se encontra agora em vias de ser cumprida pelo governo de coligação PSD/CDS-PP/PPM.


De acordo com Catarina Cabeceiras, “a operação do avião cargueiro permitirá alavancar o desenvolvimento económico, sobretudo das ilhas mais pequenas, na medida em que se traduzirá, para os agricultores, pescadores e pequenos comerciantes, nestas ilhas em particular, numa melhor e maior capacidade de exportação dos seus produtos”.


Recorde-se que o Grupo Parlamentwar do CDS-PP propôs, primeiramente, que a realização de um estudo de impacto e viabilidade de um avião cargueiro constasse do Plano Anual de Investimentos de 2009, tendo insistido na proposta de um avião para transporte de carga no âmbito dos Planos de 2010, 2011, 2012, 2016, 2017 e 2018.


A implementação de tal medida impunha-se há muito, numa realidade arquipelágica como a nossa em que tanto se fala da necessidade de promover a agricultura, a diversificação agrícola, as pescas e a projeção comercial dos produtos açorianos em geral.


O Grupo Parlamentar do CDS-PP saúda o XIII Governo Regional por dar cumprimento a mais uma medida importantíssima em prol do desenvolvimento harmonioso das diversas ilhas do nosso arquipélago.

Região vence 2 em 6 categorias na 9.ª edição do Concurso Vinhos de Portugal

Melhores vinhos de Portugal: tinto e branco de blend são do Tejo

 

‘Falcoaria Grande Reserva tinto 2018’ e ‘Falcoaria Colheita Tardia branco 2016’, do produtor Casal Branco

 

Os Vinhos do Tejo estão de parabéns pelo feito conseguido no Concurso Vinhos de Portugal 2022, que se realizou na semana passada e cujos prémios foram anunciados e entregues na sexta-feira, dia 06 de Maio, no Convento de São Francisco, em Santarém. A região consagrou dois premiados no total das seis categorias de Melhores Vinhos de Portugal – Varietal Tinto; Varietal Branco; Lote Tinto; Lote Branco; Espumante e Licoroso. Os dois vinhos vencedores têm ambos a chancela do produtor de Almeirim, Casal Branco, e são o ‘Falcoaria Grande Reserva tinto 2018’, na categoria tinto de lote ou blend, e o ‘Falcoaria Colheita Tardia branco 2016’, nos brancos de lote, sendo que partilhou palco com um outro branco nesta categoria, eleito em ex-aequo. 

 

No total, o painel de 109 jurados, nacionais e internacionais, do Concurso de Vinhos de Portugal provou quase 1500 vinhos, premiando 442 referências, distribuídas por 36 medalhas Grande Ouro, 107 Ouro e 291 Prata. Olhando para o universo dos Vinhos do Tejo, a região arrecadou um total de 41 medalhas: 4 Grande Ouro, 10 Ouro e 27 Prata. As medalhas de Grande Ouro foram para os dois melhores do ano – ‘Falcoaria Grande Reserva tinto 2018’ e ‘Falcoaria Colheita Tardia branco 2016’ – e para o ‘Cabeça de Toiro Grande Reserva tinto 2017’, da Enoport, e o ‘Conde Vimioso Reserva tinto 2018’, da Falua. No que toca aos néctares que atingiram o patamar do Ouro, os 10 eleitos foram distribuídos por 9 produtores, uma vez que a Adega do Cartaxo contribuiu com dois. O produtor do Cartaxo destacou-se também nas Prata(s) com 9 referências medalhadas. Nota para o facto de a ViniPortugal garantir a presença dos vinhos distinguidos com medalhas de Grande Ouro e Ouro em eventos internacionais de excelência, a realizar ainda este ano, como sinal de que o Concurso Vinhos de Portugal representa uma boa forma de promoção internacional para os produtores portugueses.

 

“Não há dúvidas que a região dos Vinhos do Tejo tem imenso potencial e que a qualidade dos vinhos é uma realidade confirmada. Cada vez mais, mas já ao longo da última década, são inúmeros os prémios que arrecadamos, em revistas e concursos nacionais e internacionais, em que os provadores são bastante distintos e de todas as partes do Mundo. Quando a qualidade é reconhecida de fora para dentro, não há como relegar as evidências.”, afirma Luís de Castro, Presidente da Comissão Vitivinícola Regional do Tejo. 

 

CONCURSO VINHOS DE PORTUGAL 2022

Lista de Vinhos do Tejo premiados

 

O Melhor Tinto de Lote

Falcoaria Grande Reserva tinto 2018 (Casal Branco)

 

O Melhor Branco de Lote

Falcoaria Colheita Tardia branco 2016 (Casal Branco)

 

Medalha Grande Ouro (4)

Cabeça de Toiro Grande Reserva tinto 2017 (Enoport)

Conde Vimioso Reserva tinto 2018 (Falua)

Falcoaria Grande Reserva tinto 2018 (Casal Branco)

Falcoaria Colheita Tardia branco 2016 (Casal Branco)

 

Medalha de Ouro (10)

Bridão Merlot tinto 2017 (Adega do Cartaxo)

Cabeça de Toiro Bull’s Temptation Reserva tinto 2019 (Enoport)

Casal da Coelheira Private Collection Verdelho branco 2021 (Casal da Coelheira)

Clavis Aurea Reserva tinto 2020 (Quinta do Casal Monteiro)

Coudel Mor Reserva tinto 2017 (Adega do Cartaxo)

Falua Unoaked Reserva tinto 2018 (Falua)

Herdade dos Templários Touriga Nacional Grande Escolha tinto 2018 (Quinta do Cavalinho)

Quinta da Tradição Escolha tinto 2020 (Mouchão do Inglês)

Quinto Elemento Arinto Reserva branco 2018 (Quinta do Arrobe)

Varandas Grande Escolha branco 2020 (Adega de Almeirim)

 

Medalha de Prata (27)

1836 Grande Reserva tinto 2020 (Companhia das Lezírias)

Bridão Clássico branco 2021 (Adega do Cartaxo)

Bridão Private Collection tinto 2018 (Adega do Cartaxo)

Bridão Private Collection branco 2020 (Adega do Cartaxo)

Bridão Sauvignon Blanc branco 2019 (Adega do Cartaxo)

Bridão Syrah tinto 2017 (Adega do Cartaxo)

Bridão Touriga Nacional tinto 2017 (Adega do Cartaxo)

Bridão Superior Touriga Nacional tinto 2018 (Adega do Cartaxo)

Bridão Colheita Seleccionada Trincadeira tinto 2017 (Adega do Cartaxo)

Casa Cadaval Tuisca Espumante Blanc de Noirs branco 2016 (Casa Cadaval)

Casal da Coelheira Private Collection Blend tinto 2020 (Casal da Coelheira)

Casal do Conde Reserva tinto 2014 (Casal do Conde)

Conde Vimioso Superior tinto 2019 (Falua)

Coudel Mor Clássico tinto 2019 (Adega do Cartaxo)

Dona Isabel Juliana tinto 2019 (Quinta da Lagoalva)

Encosta do Sobral Chardonnay branco 2021 (Santos & Seixo)

Encosta do Sobral Reserva branco 2021 (Santos & Seixo)

Lagoalva tinto 2020 (Quinta da Lagoalva)

Lagoalva Reserva tinto 2018 (Quinta da Lagoalva)

Lagoalva Arinto & Chardonnay Reserva branco 2021 (Quinta da Lagoalva)

Marachas tinto 2019 (Adega de Almeirim)

Quinta da Alorna Reserva das Pedras Castelão tinto 2017 (Quinta da Alorna)

Quinta da Alorna Sauvignon Blanc branco 2021 (Quinta da Alorna)

Quinta de São João Batista Grande Reserva tinto 2018 (Enoport)

Quinta de São João Batista Cabernet Sauvignon / Touriga Nacional Reserva tinto 2016 (Enoport)

Tela branco 2020 (Adega de Almeirim)

Tyto Alba Touriga Nacional tinto 2020 (Companhia das Lezírias)

 

A Escola do Mar está a começar a cumprir a sua missão de formar recursos humanos de excelência

PS/Faial congratula-se com finalização do primeiro curso de Marinheiro-Maquinista e defende maior aposta na EMA

 

O PS/Faial congratula-se pela finalização do primeiro curso de Marinheiro-Maquinista, iniciado pela Direção Regional dos Transportes Aéreos e Marítimos, atual Direção Regional da Mobilidade, em parceria com a Escola do Mar dos Açores e Centro de Formação Profissional das Pescas e do Mar (FOR-MAR).

Este curso, com uma carga horária de 466 horas, iniciou-se em fevereiro e concluiu este mês de maio, incidindo nas disposições normativas da Convenção STCW (Convenção Internacional sobre Normas de Formação de Certificação e de Serviço de Quartos), adotada pela IMO (Organização Marítima Internacional).

Nesta edição foi implementado um modelo de aprendizagem híbrida, com componente teórica online, em horário pós-laboral, o que permitiu suprimir dificuldades de mobilidade geográfica e a conciliação do desempenho laboral/formação.

Verifica-se, deste modo, que a Escola do Mar está a começar a cumprir a sua missão de formar recursos humanos de excelência, neste caso, para o exercício de funções a bordo de navios/embarcações de comércio, rebocadores ou embarcações auxiliares, ainda que, na perspetiva do PS/Faial, possa fazer muito mais.

A conclusão deste curso coloca em evidência a utilidade e a pertinência da Escola do Mar dos Açores, contradizendo todos aqueles que dela duvidaram, ao longo dos últimos 8 anos e que hoje, com os seus sucessos evidentes, começam a compreender do seu real valor e a sua real importância.

A “dedicação” dos agentes da PSP nos Açores foi enaltecida por José Manuel Bolieiro

O Presidente do Governo Regional dos Açores, José Manuel Bolieiro

Recebeu em audiência o Diretor Nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), Manuel Magina da Silva, elogiando a ação destes profissionais na região e lembrando a proximidade mantida com as forças de segurança municipais.

Após uma audiência tida no Palácio de Sant’Ana, José Manuel Bolieiro elencou várias áreas de atuação da PSP e lembrou que esta força policial, com a futura extinção do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), terá “responsabilidades acrescidas” nos Açores, onde entram cidadãos estrangeiros pelo ar e pelo mar.

“A PSP precisa de um reforço para cabalmente cumprir a sua missão: a sua, de sempre, e essa nova que acumulará por diante no futuro. Transmiti ao senhor diretor nacional da PSP que pode contar com o Governo Regional como um aliado reivindicativo” junto da República, sublinhou o Presidente do Governo.

A “dedicação” dos agentes da PSP nos Açores foi enaltecida por José Manuel Bolieiro, homens e mulheres que, “apesar da escassez de recursos humanos e materiais”, demonstraram estar sempre presente mesmo nos momentos “inesperados” como a pandemia de covid-19 ou a crise sismovulcânica em São Jorge.

Uma polícia de proximidade junto das pessoas, e sem tanta presença nas esquadras, é o mote defendido por José Manuel Bolieiro e pelo Diretor Nacional da PSP.